A escala M-Chat e o diagnóstico do espectro autista


Postado por Juliana Canavese em 27/maio/2024 - Sem Comentários

O autismo é um transtorno complexo e muitas vezes desafiador de detectar em crianças pequenas. No entanto, com o uso da escala M-Chat, os profissionais de saúde estão encontrando uma nova maneira de melhorar o diagnóstico precoce. A escala M-Chat, conhecida como Modified Checklist for Autism in Toddlers, é um questionário desenvolvido para rastrear sinais precoces de autismo em crianças com idades entre 16 e 30 meses.

Portanto, exploraremos como a escala funciona, quais sinais o questionário busca identificar e como os resultados podem ajudar no diagnóstico do autismo. Além disso, discutiremos a importância do diagnóstico precoce e como o uso da escala tem se mostrado eficaz nesse aspecto.

Se você é um pai preocupado ou profissional de saúde que deseja entender mais sobre como a escala M-Chat pode ajudar no diagnóstico do espectro do autismo, continue lendo e descubra os benefícios desse instrumento de triagem.

Índice

Compreendendo o espectro autista

O transtorno do espectro autista (TEA) é uma condição neurológica que afeta o desenvolvimento da comunicação e das habilidades sociais. No entanto, as características do TEA podem variar amplamente, desde dificuldades de comunicação e interação social até comportamentos repetitivos e interesses restritos. É uma condição que geralmente se manifesta na primeira infância e pode ter um impacto significativo no funcionamento diário da criança.

O que é a escala M-Chat

É um instrumento de triagem desenvolvido para identificar sinais precoces de autismo em crianças com idades entre 16 e 30 meses. Ela consiste em um questionário que é preenchido pelos pais ou cuidadores da criança. O questionário é composto por 20 perguntas que abordam uma variedade de comportamentos relacionados ao desenvolvimento social, comunicativo e motor.

Sendo assim, o objetivo da escala é identificar sinais precoces de autismo que podem indicar a necessidade de avaliação adicional. Os itens do questionário abordam áreas como contato visual, resposta ao nome, habilidades de linguagem, interação social e brincadeiras imaginativas. Então, cada pergunta tem opções de resposta que indicam se o comportamento é presente ou ausente na criança.

Fonte: Envato/Por JoPanwatD

Como funciona na prática

A escala pode ser preenchida pelos pais ou cuidadores da criança em casa ou durante uma consulta médica. No entanto, é importante que as respostas sejam fornecidas com base nas observações do comportamento da criança e não apenas em suposições. O preenchimento do questionário geralmente leva de 5 a 10 minutos.

Então, após o preenchimento do M-Chat, as respostas são pontuadas e interpretadas. Cada pergunta tem um valor e dependendo das respostas, uma pontuação total é calculada. Uma pontuação alta indica maior probabilidade de autismo e a necessidade de avaliação adicional.

Interpretando os resultados da escala M-Chat

Os resultados da escala M-Chat devem ser interpretados por um profissional de saúde qualificado. É importante lembrar que a escala é um instrumento de triagem e não um diagnóstico definitivo. Uma pontuação alta na escala M-Chat indica a necessidade de uma avaliação mais aprofundada para determinar se a criança está no espectro autista.

Pode acontecer de uma criança ter uma pontuação alta na escala M-Chat, mas não receber o diagnóstico de TEA. Da mesma forma, uma criança pode ter uma pontuação baixa na escala M-Chat e ainda assim ter autismo. Portanto, é importante que se considere os resultados da escala M-Chat juntamente com outras informações clínicas e observações.

Benefícios do uso da escala M-Chat

O uso da escala M-Chat tem demonstrado diversos benefícios, de fato, no diagnóstico precoce do autismo. Esses benefícios incluem:

  1. Detecção precoce: A escala M-Chat ajuda a diagnosticar o autismo antes dos 2 anos de idade, o que possibilita intervenções mais cedo e melhora o prognóstico da criança.
  1. Triagem eficaz: A escala M-Chat é um instrumento de triagem eficaz para identificar crianças com maior probabilidade de estar no espectro autista. Isso permite uma triagem mais direcionada e uma melhor utilização dos recursos clínicos.
  1. Facilidade de uso: A escala M-Chat é um questionário simples e de fácil preenchimento, o que facilita a sua aplicação tanto em casa quanto em consultórios médicos.
  1. Baixo custo: A escala M-Chat é uma ferramenta de triagem de baixo custo, o que a torna acessível a um maior número de pessoas e instituições de saúde.

Limitações da escala M-Chat

Apesar dos benefícios do uso da escala M-Chat, é importante reconhecer que ela também tem suas limitações. Algumas dessas limitações são:

  1. Falsos positivos: Crianças que ao preencherem a escala podem ter probabilidade alta de autismo, mas que não confirma o diagnóstico após uma avaliação mais aprofundada.
  1. Falsos negativos:  Acontece quando aparece baixa probabilidade de autismo ao preencher a escala, mas posteriormente acabam sendo diagnosticadas.
  1. Dependência das respostas dos pais: depende das respostas fornecidas pelos pais ou cuidadores da criança. Essas respostas podem estar sujeitas a viés ou interpretação inadequada, o que pode afetar a precisão dos resultados.

Outras ferramentas de diagnóstico para o transtorno do espectro autista

Além da escala M-Chat, existem outras ferramentas de diagnóstico para avaliar o transtorno do espectro autista. Alguns exemplos dessas ferramentas incluem:

  1. ADOS-2: O Sistema de Observação Diagnóstica do Autismo, Segunda Edição (ADOS-2) é um instrumento de observação clínica que avalia o comportamento social, a comunicação e os padrões de interesse/repetição em crianças.
  1. CARS: A Escala de Avaliação do Comportamento para Crianças com Autismo (CARS) é um instrumento de avaliação que utiliza observações clínicas e informações fornecidas pelos pais para determinar a presença e a gravidade do autismo.
  1. DSM-5: O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, Quinta Edição (DSM-5), é um guia utilizado por profissionais de saúde para diagnosticar o transtorno do espectro autista com base em critérios específicos.

Fonte: Envatp/Por Annann_9

Uso da escala M-Chat na prática clínica

A escala M-Chat é uma ferramenta amplamente utilizada na prática clínica para auxiliar no diagnóstico precoce do autismo. Os pediatras, psicólogos e outros profissionais de saúde frequentemente incorporam a escala M-Chat em suas avaliações iniciais de desenvolvimento em crianças.

Porém, é importante ressaltar que a escala M-Chat não substitui uma avaliação clínica completa e especializada. Ela é apenas uma ferramenta de triagem inicial que pode auxiliar na identificação de sinais precoces de autismo.  Recomenda-se encaminhar a criança para uma avaliação mais completa, caso a criança apresente uma pontuação alta na escala M-Chat,

Conclusão e direções futuras

A escala é uma ferramenta valiosa para auxiliar no diagnóstico precoce do transtorno do espectro autista. Seu uso tem demonstrado benefícios significativos na detecção precoce, triagem eficaz e facilidade de aplicação. No entanto, é importante reconhecer suas limitações e considerar outras ferramentas de diagnóstico em conjunto.

No futuro, espera-se que a escala M-Chat continue sendo aprimorada e utilizada em conjunto com outras abordagens de diagnóstico para melhorar ainda mais a detecção precoce e a intervenção no autismo. Com mais pesquisas e desenvolvimento, esperamos avançar no entendimento do transtorno do espectro autista e melhorar a qualidade de vida das crianças que o enfrentam.

Gostou do nosso texto? Continue acompanhando nosso Blog!

Referências:

1- Instituto Singular – acesso em 19/04/2024

2- Autismo e realidade – acesso em 19/04/2024

“O Autismo em Dia não se responsabiliza pelo conteúdo, opiniões e comentários dos frequentadores do portal. O Autismo em Dia repudia qualquer forma de manifestação com conteúdo discriminatório ou preconceituoso.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


error: Este conteúdo é de autoria e propriedade do Autismo em Dia